Um homem que desistiu da compra de imóvel e assinou distrato, mas depois buscou a Justiça pleiteando verbas que foram retidas, acabou levando bronca. O juiz de Direito Marco Antonio Botto Muscari, da 6ª vara Cível do Foro Regional III – Jabaquara/SP, afirmou que não pode o Judiciário admitir que maiores capazes, sem alegar coação, voltem atrás na palavra dada por escrito. “Agora pretende dar o dito pelo não dito”.

Clique aqui para ler a matéria completa.

Fonte: Migalhas